CONVERSAS DE ROMERO JUCÁ E SERGIO MACHADO QUE FALAM EM DETER OPERAÇÃO LAVA JATO, MOSTRA UMA POLÍTICA SUJA, E AUTO GRAU DE CORRUPÇÃO NOS PODERES.

          BOA VISTA - O senador Romero Jucá (PMDB-RR), atual ministro do Planejamento, ganhou as páginas de jornais de todo país, após o áudio de uma conversa com o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado ao ser divulgado pela Folha de São Paulo. Nesta segunda-feira (23), Jucá realizou uma coletiva para explicar a situação e falou que suas palavras foram tiradas do contexto.  Mais veja a que ponto chega a politica no nosso país, suja, montada em corrupção, e formulada em mentiras e interesses particulares. 
Vejam conversa sobre o calar da corrupção na politica Brasileira:
Romero Jucá comentou áudio que vazou em jornal. Foto: Agência Brasil/Divulgação 
          De acordo com Jucá, a conversa aconteceu em 'tom banal' e garantiu que não pedirá para deixar o cargo no Ministério de Planejamento. "O cargo é uma decisão do presidente (Michel Temer), vou continuar enquanto entender que tenho a confiança do Temer. Devo satisfação a todos os setores do Brasil e estou aqui para esclarecer quaisquer dúvidas", disse o ministro do Planejamento antes de abrir a rodada de perguntas para os repórteres. 
Sobre as acusações, Jucá garantiu não estar preocupado. Ele também explicou o que quis dizer com o termo 'estancar a sangria'. "No contexto da conversa, eu coloquei aquilo que venho colocando, punir os culpados. Quando disse 'evitar a sangria', quis dizer em parar a situação vivida no Brasil, como a crise e o desemprego. O maior interessado sobre o meu comportamento, sou eu, então estou com a consciência limpa", contou. 
Sobre Romero Jucá
Jucá assumiu o terceiro mandato consecutivo pelo Estado de Roraima. Ele foi líder do governo no Senado, designado pelos presidentes Fernando Henrique Cardozo, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. Em 2005, atuou como relator geral do orçamento da União. Atualmente, é Vice-Presidente do Senado Federal e relator da Comissão Mista do Congresso, que vai regulamentar dispositivos da Constituição Federal, inclusive a recente PEC dos Empregados Domésticos.
Jucá é titular de cinco comissões permanentes do Senado: Constituição e Justiça (CCJ), Assuntos Econômicos (CAE), Meio Ambiente (CMA), Educação (CE) e Desenvolvimento Regional e Turismo (CDR). Além dessas, participa, como suplente, das comissões de Assuntos Sociais (CAS), Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE), Serviços de Infraestrutura (CI) e da Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA).
LEIA TRECHOS DOS DIÁLOGOS DIVULGADOS PELA 'FOLHA DE S. PAULO'
Data das conversas não foi especificada
SÉRGIO MACHADO - Mas viu, Romero, então eu acho a situação gravíssima.
ROMERO JUCÁ - Eu ontem fui muito claro. [...] eu só acho o seguinte: com Dilma não dá, com a situação que está. Não adianta esse projeto de mandar o Lula para cá ser ministro, para tocar um gabinete, isso termina por jogar no chão a expectativa da economia. Porque se o Lula entrar, ele vai falar para a CUT, para o MST, é só quem ouve ele mais, quem dá algum crédito, o resto ninguém dá mais credito a ele para porra nenhuma. Concorda comigo? O Lula vai reunir ali com os setores empresariais?
MACHADO - Agora, ele acordou a militância do PT.
JUCÁ - Sim.
MACHADO - Aquele pessoal que resistiu acordou e vai dar merda.
JUCÁ - Eu acho que...
MACHADO - Tem que ter um impeachment.
JUCÁ - Tem que ter impeachment. Não tem saída.
MACHADO - E quem segurar, segura.
JUCÁ - Foi boa a conversa mas vamos ter outras pela frente.
MACHADO - Acontece o seguinte, objetivamente falando, com o negócio que o Supremo fez [autorizou prisões logo após decisões de segunda instância], vai todo mundo delatar.
JUCÁ - Exatamente, e vai sobrar muito. O Marcelo e a Odebrecht vão fazer.
MACHADO - Odebrecht vai fazer.
JUCÁ - Seletiva, mas vai fazer.
MACHADO - Queiroz [Galvão] não sei se vai fazer ou não. A Camargo [Corrêa] vai fazer ou não. Eu estou muito preocupado porque eu acho que... O Janot [procurador-geral da República] está a fim de pegar vocês. E acha que eu sou o caminho. [...]
JUCÁ - Você tem que ver com seu advogado como é que a gente pode ajudar. [...] tem que ser política, advogado não encontra [inaudível]. Se é político, como é a política? Tem que resolver essa porra... tem que mudar o governo para poder estancar essa sangria. [...]
MACHADO - Rapaz, a solução mais fácil era botar o Michel [Temer].
JUCÁ - Só o Renan [Calheiros] que está contra essa $%¨&. 'Porque não gosta do Michel, porque o Michel é Eduardo Cunha'. Gente, esquece o Eduardo Cunha, o Eduardo Cunha está morto, $#%@.
MACHADO - É um acordo, botar o Michel, num grande acordo nacional.
JUCÁ - Com o Supremo, com tudo.
MACHADO - Com tudo, aí parava tudo.
JUCÁ - É. Delimitava onde está, pronto. [...]
MACHADO - O Renan [Calheiros] é totalmente 'voador'. Ele ainda não compreendeu que a saída dele é o Michel e o Eduardo. Na hora que cassar o Eduardo, que ele tem ódio, o próximo alvo, principal, é ele. Então quanto mais vida, sobrevida, tiver o Eduardo, melhor para ele. Ele não compreendeu isso não.
JUCÁ - Tem que ser um boi de piranha, pegar um cara, e a gente passar e resolver, chegar do outro lado da margem.
* MACHADO - A situação é grave. Porque, Romero, eles querem pegar todos os políticos. É que aquele documento que foi dado...

Fonte. Portal Amazônia.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Topo