MP PERDEU A PRUDÊNCIA E O ESPERADO EQUILÍBRIO, DIZ JURISTA

Justiça
O que dizer de um órgão que em sua essência tem como objetivo defender as causas do povo, hoje infelizmente está difícil acreditar na lisura do nosso ministério público, infelizmente o órgão composto de autoridades que tem prerrogativas para punir, quem de fato está errado, tem se deixado levar por atos corruptos de políticos, deixando um país desacreditado da justiça.

Considerado um grande jurista, Ex-apoiador da Lava Jato, o professor da Uerj Afrânio Silva Jardim, considerado um dos maiores processualistas do país, destaca que o Ministério Público Federal perdeu a "necessária prudência e o esperado equilíbrio" e que "alguns poucos membros do Ministério Público (...) estão provocando um irreparável retrocesso para esta importante instituição"; desabafo foi feito em um texto sobre a denúncia oferecida contra o ex-presidente Lula no caso do tríplex do Guarujá; para ele, promotores "estão cometendo um erro histórico fantástico"

Ex-apoiador da Lava Jato, o professor da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) Afrânio Silva Jardim, considerado um dos maiores processualistas do país, destaca que o Ministério Público Federal perdeu a "necessária prudência e o esperado equilíbrio" ao longo do processo e que "Alguns poucos membros do Ministério Público (...) estão provocando um irreparável retrocesso para esta importante instituição". Desabafo foi feito em um texto sobre o pedido de prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no âmbito da investigações sobre o tríplex do Guarujá, dentro do escopo da Operação Lava Jato.

Em sua avaliação, "estes jovens acusadores sistemáticos não perceberam qual é a real função do Ministério Público moderno. Estão deslumbrados pela publicidade que provocaram estrategicamente. Eles cometem, inúmeras vezes, erros técnicos de grande gravidade. Eles estão cometendo um erro histórico fantástico ...", destaca.

Veja a íntegra do texto da Afrânio Silva Jardim sobre o assunto.
1) Como cidadão (67 anos de vida): fico revoltado e indignado;
2) Como professor de Direito Processual Penal (37 anos): fico perplexo e desiludido:
3) Como membro aposentado do Ministério Público (31 anos): fico triste e decepcionado.
Costumava dizer que, caso começasse a minha vida novamente, seria promotor de justiça e também professor de Direito Proc. Penal. Hoje já não tenho mais certeza se valeria a pena repetir a minha trajetória profissional novamente. Tenho certeza de que não faria concurso para o Ministério Público Federal !!!
Alguns poucos membros do Ministério Público, na minha modesta avaliação, estão provocando um irreparável retrocesso para esta importante instituição, onde passei metade da minha vida.
Estes jovens acusadores sistemáticos não perceberam qual é a real função do Ministério Público moderno. Estão deslumbrados pela publicidade que provocaram estrategicamente. Eles cometem, inúmeras vezes, erros técnicos de grande gravidade.
Eles estão cometendo um erro histórico fantástico ...
Por tudo isso, disse, no congresso do Ministério Público de Pernambuco, na quinta-feira passada, que a "história não os absolverá". Perderam a necessária prudência e o esperado equilíbrio. Perderam a ternura ...
Fonte: Brasil247
Nos acompanhe e fiquem informados

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Topo