Comerciante que foi preso na jaula mediavel em Barra do Corda, foi morto em consequência de um AVC

Polícia



      

     O fato que foi repercutido em todas as mídias do Maranhão e do Brasil, conta do caso de uma prisão desumana em Barra do Corda-MA, onde o comerciante Francisco Ferreira chegou a ficar mais de 16:00H em uma cela  conhecida como “Gaiolão” um tipo de aprisionamento desumano que fica na parte interna, por trás da delegacia da cidade de Barra do Corda. 



Conclusão dos fatos:


Jaula no pátio da delegacia não tinha cama ou banheiro      Conforme relatório do boletim médico, o homem tinha problemas de saúde, Hipertenso e diabético, a vitima não teve direito a tomar medicamentos obrigatórios, com sede e sem água, e ficou o período da tarde sob sol escaldante em uma temperatura de terríveis 40 graus na jaula à céu aberto, sem alternativas, acabou saindo apenas no dia seguinte para ser colocado em um caixão.


O caso foi de omissão e atendimento ao preso, informações prestadas pelo delegado Regional de Barra do Corda (MA), Renilton Ferreira, confirma que o comerciante que atuava no setor de vidros, teve um AVC (Acidente Vascular Cerebral) após chegar ao uma unidade da UPA naquela cidade. O histórico diz que ele se envolveu em um acidente quando ainda estava sob o efeito do álcool e instantes depois foi preso.

Inicialmente em conversa informal, o delegado confirmou que a cela, era usada para presos ficarem provisoriamente até a autoridade decidir se ele iria para outra cela ou se seria liberado, o que de fato acabou não sendo o caso.

Como sempre as desculpas esfarrapadas tomam conta da situação, e geralmente se põe culpa em alguém, neste caso o Governo do Estado, relata três dias depois, e lamentou o episódio, dizendo que mandou investigar o caso, e que concluiu que a cela era para os aprisionados tomarem banho de sol. Ele só esqueceu um detalhe,  que pelo tempo em que o vitima passou exposto enjaulado na tortura, era uma cela para sair tostado.

Acompanhe nossa página e fiquem informados de tudo.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Topo