Lascou: Empresa Gerir diz que pegou calote de 63 milhões no contrato do governo Dino

Política
Por L. Pablo
Empresa acusa governo Flávio Dino de calote na saúde      Como se não bastasse as muitas denuncias de esquemas fraudulentos, agora um comunicado emitido pelo Instituto Gerir revelou que o governo Flávio Dino deu um calote milionário na empresa. Segundo o Gerir, o governo ficou devendo R$ 63 milhões.
“A Secretaria da Saúde descumpriu o contrato ao não pagar o Instituto Gerir. O calote é de R$ 63 milhões. Os valores são referentes às dívidas com o Instituto Gerir na administração dos 3 hospitais”, diz um trecho do comunicado da empresa.
O Instituto Gerir administrava de três hospitais, entre eles o Hospital Carlos Macieira, que agora passou a ser controlado pelo Instituto Acqua. O governo suspendeu o contrato e não pagou a empresa.
ABAIXO A ÍNTEGRA DO COMUNICADO DA EMPRESA:
Sobre a suspensão dos contratos de administração do Hospital Carlos Macieira, do Hospital de Trauma e Ortopedia e do Hospital Macrorregional Dra. Ruth Noleto, feitas abritrariamente pela Secretaria de Estado de Saúde do Maranhão, o Instituto Gerir esclarece que:
1 – A Secretária da Saúde mente e tenta tapar o sol com a peneira ao transferir suas responsabilidades. Os principais prejudicados por isso são, como sempre, os cidadãos maranhenses;
2 – A Secretaria da Saúde descumpriu o contrato ao não pagar o Instituto Gerir. O calote é de R$ 63 milhões. Os valores são referentes às dívidas com o Instituto Gerir na administração dos 3 hospitais;
3 – A Secretaria da Saúde foi notificada por diversas vezes para pagar essa dívida. Esses documentos seguem no anexo. Nunca pagou e, por fim, para fugir do pagamento, decidiu suspender o contrato;
4 – O calote de R$ 63 milhões será cobrado judicialmente;
5 – Toda a prestação de contas da administração dos hospitais era feita periodicamente. Jamais houve qualquer tipo de notificação oficial que demonstrasse o contrário. Jamais foi feita qualquer comunicação por parte da secretaria cobrando outro tipo de esclarecimento além dos previstos contratualmente e que eram prestados pelo Gerir;
6 – O calote implicou também nos atrasos ao pagamento de prestadores de serviço e fornecedores dos hospitais administrados pelo Gerir;
7 – A suspensão do contrato, portanto, se deu de maneira arbitrária com a única finalidade fugir do pagamento da dívida;
8 – Como tem sido noticiado pela imprensa maranhense, em toda a saúde do Estado faltam remédios, leitos e servidores. Esse tipo de caso, infelizmente, tem se tornado cada vez mais constante – e nenhuma dessas denúncias partiu do Instituto Gerir;
9 – O calote e a suspensão ilegal do contrato com o Gerir não são as únicas decisões arbritrárias tomadas pelo atual secretário de Saúde, Carlos Lula. O mesmo secretário acaba de escolher outras Organizações Sociais para assumir a gestão dos hospitais sem licitação ou qualquer tipo de concorrência, como manda a lei.
10 – Essas medidas, todas flagrantemente ilegais, estão sendo questionadas judicialmente;
11 – Por fim, lamentamos que a gestão da Saúde do Maranhão ainda esteja sob responsabilidade de uma pessoa investigada pela Polícia Federal por suspeitas gravíssimas, como é de conhecimento público.
Acompanhe nossa página e fiquem informados de tudo.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Topo